A GNR de Santiago do Cacém recuperou 43 caixas de perfumes contrafeitos avaliados em 18.000 euros e constituiu seis arguidos, no âmbito de uma investigação por furto, informou hoje a corporação.

O tenente-coronel Jorge Goulão, do Departamento de Relações Públicas da GNR, revelou à Lusa que hoje de manhã foram efetuadas seis buscas domiciliárias e cinco não domiciliárias, em Sines e Vila Nova de Santo André, na sequência de um inquérito a um furto de perfumes contrafeitos que aguardavam destruição em Sines.

De acordo com a GNR, a operação permitiu recuperar 43 de 816 caixas de perfumes, todos de «grandes marcas», que tinham sido apreendidas pelo Serviço de Alfândegas e que se encontravam a aguardar destruição na empresa SITANK, Navegação e Logística.

Foram ainda constituídos seis arguidos, de idades compreendidas entre os 25 e os 50 anos, que vão ser inquiridos pelas autoridades.

«Estamos perante um caso de produtos importados para o mercado nacional e que depois se verifica que são contrafeitos», disse Jorge Goulão, admitindo que se trata de uma situação que se tem vindo a tornar cada vez mais frequente.

«É um caso que está apenas no início. Há várias linhas de investigação que vão ser seguidas pelas autoridades», referiu o responsável da GNR.