O juiz de instrução criminal do Tribunal de Pombal decretou hoje prisão preventiva para um dos suspeitos de tráfico de droga e exploração sexual detidos na madrugada de domingo, numa operação da GNR, informou fonte desta força de segurança.

Dos 11 detidos, apenas oito foram presentes ao juiz de instrução criminal, que decretou a prisão preventiva para o suspeito que alegadamente explorava o estabelecimento de diversão noturna em Pombal, onde se desenrolaria o suposto crime de lenocínio.

À irmã deste homem, que também exploraria o estabelecimento, foi aplicada a medida de coação de apresentações semanais no posto da área da residência.

Os restantes seis detidos terão de fazer apresentações trissemanais no posto da área da residência. Todos ficaram proibidos de se contactarem, informou ainda a mesma fonte.

A detenção de 11 pessoas, por suspeita dos crimes de lenocínio, tráfico de droga e posse de arma proibida resultou de uma investigação de dois anos da GNR.

No domingo, o comandante do Destacamento Territorial de Pombal da GNR, Henrique Faria, referiu que a investigação se iniciou "na sequência de uma denúncia de lenocínio" enviada pelos serviços do Ministério Público de Pombal, para investigação.

"No âmbito da nossa investigação, chegámos à conclusão de que este crime era praticado essencialmente num estabelecimento de diversão noturna, frequentado por clientes de sexo masculino, que procuravam senhoras para a prática do ato sexual. O contacto era estabelecido entre as duas partes no rés-do-chão e, depois, acertados os pormenores, subiriam, para o 1.º andar, onde eram praticados os atos", explicou o comandante.

Henrique Faria revelou ainda que, no decorrer da operação, foram detetados três homens "em flagrante".

Além deste estabelecimento de diversão noturna, decorreram buscas noutros dois, situados também em Pombal, no distrito de Leiria, que estariam ligados ao "crime de tráfico de estupefacientes", também investigado no âmbito deste processo.

O comandante esclareceu ainda que, dos 11 detidos, dois irmãos estrangeiros estarão indiciados do crime de lenocínio. "Os restantes estarão ligados aos crimes de tráfico de estupefaciente e de posse ilegal de armas”, acrescentou.

Estes dois irmãos "usariam outro indivíduo como testa de ferro", que estava "em termos legais ligado à exploração do estabelecimento", adiantou o responsável da GNR.

Da operação policial resultou a apreensão de uma viatura, droga, nove balanças digitais, 15 telemóveis, armas brancas, gás lacrimogéneo e computadores.

Foram ainda apreendidos sete armas de fogo, várias munições, 624 preservativos, "outros objetos relacionados com a prática de atos sexuais e 2.395 euros em notas."

Segundo o comandante do Destacamento Territorial de Pombal da GNR, a operação envolveu mais de 170 elementos dos comandos territoriais de Leiria, Santarém, Aveiro, Coimbra e Unidade de Intervenção de Lisboa, que deram cumprimento a 14 mandados de busca e cinco mandatos de detenção.

Os detidos têm entre 19 e 43 anos.