A Guarda Nacional Republicana (GNR) deteve 110 pessoas com taxa igual ou superior a 1,20 gramas de álcool no sangue, o que já constitui crime, no âmbito da «Operação Baco 2014» realizada no domingo, anunciou esta segunda-feira fonte do organismo.

De acordo com o relações-públicas, major Marco Cruz, foram realizados 6.810 testes de alcoolemia na segunda grande operação deste ano de fiscalização da condução sob efeito de álcool e drogas, sendo que 293 condutores estavam sob influência de álcool.

«Nas sete horas da operação, 110 condutores apresentaram uma taxa igual ou superior a 1,20 gramas por litro, taxa que evidencia crime. Foram ainda detidas 18 pessoas por falta de habilitação legal para condução e outras quatro por outros motivos», disse à Lusa Marco Cruz.

As ações de fiscalização realizaram-se «nas vias onde as infrações por excesso de álcool são mais frequentes e dão origem a um risco acrescido de acidentes de viação», nomeadamente nos acessos e imediações de estabelecimentos de diversão noturna.

«Apesar dos números, o balanço tem vindo a ser positivo. Cada vez há menos pessoas a conduzir sobre o efeito do álcool. As fiscalizações têm vindo a fazer com que as pessoas mudem os comportamentos na estrada, estão cada vez mais sensíveis e receosos», frisou.

De acordo com a mesma fonte, foram abertas 651 contraordenações, de entre as quais 20 por falta ou uso inadequado do cinto de segurança e cadeirinhas e 64 por excesso de velocidade, embora o âmbito da operação não se prendesse com este facto.

No ano de 2013, no âmbito destas ações, foram testados 1.142.176 condutores, tendo sido detetados 30.786 condutores com uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 0,50 gramas por litro, dos quais 12.247 conduziam com uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 1,20 gramas por litro (taxa crime).

No âmbito da primeira «Operação Baco 2014», foram testados 4.805 condutores, dos quais 152 conduziam com taxa de álcool superior à permitida por lei, tendo 58 destes condutores sido detidos.