A GNR multou 9.410 condutores, no primeiro semestre do ano, por usarem o telemóvel durante a condução, uma redução de cerca de 30 por cento em relação ao mesmo período do ano passado, indicou hoje a corporação.

Além da redução das infrações por uso do telemóvel durante a condução (menos 4.019), a GNR registou também uma diminuição de 31 por cento das multas por não utilização do cinto de segurança nos primeiros seis meses do ano, segundo dados daquela força de segurança, que realiza na sexta-feira a operação «Anjo da Guarda».

A GNR registou 9.021 contraordenações, no primeiro semestre, por falta do cinto de segurança, enquanto no mesmo período de 2013 multou 13.173 pessoas.

A corporação adianta que, nos primeiros seis meses do ano, registou 703 infrações por falta de cadeirinhas para crianças, contra as 829 contraordenações do ano passado.

Os dados foram divulgados pela Guarda Nacional Republicana, que na sexta-feira intensifica, em todo o país, a fiscalização do uso dos cintos de segurança, sistemas de retenção para crianças (SRC) e o uso indevido do telemóvel.

Para a operação estão mobilizados 1.045 militares dos comandos territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito, que vão realizar 440 ações especialmente direcionadas para as vias onde estas infrações são mais frequentes, nomeadamente no interior das localidades, nas estradas nacionais, regionais e municipais.

Em comunicado, a GNR alerta para a necessidade de todos os ocupantes das viaturas fazerem uso do cinto de segurança, incluindo os que se deslocam nos lugares da retaguarda, apesar da melhoria dos comportamentos dos condutores.

A GNR refere ainda que dos acidentes registados constata-se que uma parte significativa destes passageiros da retaguarda não fazia uso do cinto de segurança, facto que agravou as consequências físicas.