A GNR anunciou esta sexta-feira que desmantelou uma fábrica de cigarros artesanais que funcionava numa residência em Mafamude, Gaia, aprendendo 1.200 cigarros e 109 quilos de folhas de tabaco, no valor estimado em cerca de 38 mil euros.

Durante uma operação policial da Unidade de Ação Fiscal, realizada na quinta-feira através de forças do Destacamento de Ação Fiscal do Porto, foi também detido um homem, de 46 anos, em flagrante delito, por suspeita da prática do crime aduaneiro (alfandegário) de introdução fraudulenta no consumo, lê-se no comunicado de imprensa enviado à comunicação social.

O detido “não ofereceu resistência” e “até consentiu a busca”, explicou à Lusa fonte das Relações Públicas da GNR, referindo que o indivíduo usaria a residência na localidade de Mafamude como uma “fábrica de corte, preparação e enchimento de cigarros artesanais”.

Durante a busca domiciliária que a GNR realizou à residência do proprietário do material, aquela polícia apreendeu também 19 peças artesanais e industriais para corte, preparação e enchimento de cigarros e uma viatura.

O detido vai ser ouvido esta sexta-feira no Departamento de Investigação e Ação Penal da Maia para conhecer as medidas de coação a aplicar.

A origem das folhas de tabaco e o destino dos cigarros ainda não podem ser revelados porque a investigação continua, adiantou à Lusa a mesma fonte policial.

Com o novo imposto sobre o tabaco, um maço que custava 4,52 euros passou a custar 4,59 euros. Sem impostos, o mesmo maço custaria 1,63 euros.