Duas pessoas morreram nas estradas fiscalizadas pela GNR na sexta-feira, o primeiro dia da operação “Ano Novo” em que foram contabilizados 240 acidentes.

Segundo os números divulgados no site da GNR, as duas vítimas mortais foram registadas em acidentes no distrito de Coimbra e Vila Real.

Na sexta-feira não foram registados feridos graves, mas houve 99 feridos ligeiros.

Mais de 50 detidos

A GNR deteve durante a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado 57 pessoas, a maioria por condução sob efeito do álcool, tendo detetado mais de mil infrações rodoviárias, segundo um comunicado hoje divulgado.

Entre as 20:00 de sexta-feira e as 08:00 de hoje a GNR deteve 43 pessoas por condução sob efeito do álcool, cinco por condução sem carta, uma por tráfico de estupefacientes e outra por posse de arma proibida, entre outras.

Nas operações a nível nacional de fiscalização das estradas e de combate à criminalidade violenta, a GNR apreendeu 128 doses de haxixe, sete doses de heroína, uma arma de fogo e uma centena de munições.

Quanto ao trânsito foram detetadas 1.111 infrações, sendo 577 por excesso de velocidade, 53 por condução com taxa de alcoolemia superior ao permitido, 44 por uso de telemóvel 40 por falta de inspeção, 36 relacionadas com tacógrafos, 30 por falta de cinto de segurança ou de cadeirinhas para criança e 21 por falta de seguro.

Operação em curso

A GNR intensifica, desde sexta-feira e até ao dia 2 de janeiro, o patrulhamento rodoviário nas vias de maior tráfego no âmbito da operação “Ano Novo”.

Segundo a Guarda Nacional Republicana, o reforço do patrulhamento nas estradas tem como objetivo “prevenir a sinistralidade rodoviária, garantir a fluidez do tráfego e apoiar todos os utentes das vias, no sentido de lhes proporcionar uma deslocação em segurança”.

Durante a operação “Ano Novo”, a GNR vai estar “particularmente atenta” à deslocação para os locais de diversão e de grande concentração de pessoas, devido às celebrações da passagem de ano, para “evitar comportamentos de risco por parte de condutores de veículos, com especial atenção aos condutores de ciclomotores e motociclos".

Para a operação vão estar mobilizados militares da Unidade Nacional de Trânsito e dos Comandos Territoriais, que vão focar a sua atenção na condução sob a influência do álcool e de substâncias psicotrópicas, excesso de velocidade, manobras perigosas, incorreta ou não utilização do cinto de segurança e cadeirinhas para crianças e não utilização de equipamentos de proteção por parte dos motociclistas.

Os militares da GNR vão ainda efetuar ações de sensibilização dirigidas a peões, ciclistas e motociclistas.