A GNR de Santarém recebeu esta quarta-feira uma queixa relacionada com o desaparecimento de ouro avaliado em dois mil euros de uma encomenda enviada via CTT, disse à agência Lusa fonte daquela estrutura policial.

A proprietária de uma ourivesaria em Fátima, no concelho de Ourém, distrito de Santarém, Ilênia Vieira, contou à agência Lusa que fez uma encomenda à Associação Portuguesa da Indústria de Ourivesaria de cerca de 70 gramas de ouro.

«A mercadoria foi enviada na estação dos CTT de Santa Justa e chegou à estação de CTT de Fátima rasgada e sem o ouro. A fatura que vinha lá dentro também estava rasgada», adiantou Ilênia Vieira.

Fonte da GNR confirmou que foi apresentada uma queixa no posto de Fátima, que relata que «entre o dia 28 de fevereiro e 05 de março» terá havido «violação de correspondência» e terá sido «furtado ouro no valor de dois mil euros».

Em resposta escrita à Agência Lusa, fonte dos CTT referiu que a empresa teve «hoje conhecimento desta reclamação» e vai «proceder a uma investigação».

A «conclusão» do processo será «comunicada à parte interessada assim que for apurada».