A Associação dos Profissionais da Guarda (APG) anunciou hoje que conseguiu angariar nove mil euros para ajudar o militar da GNR condenado pela morte de um jovem durante uma perseguição policial em Loures a recorrer da sentença.

O militar da GNR Hugo Ernano foi condenado no mês passado pelo Tribunal Criminal de Loures a nove anos de prisão e ao pagamento de uma indemnização de 80 mil euros à família do jovem.

Os factos remontam a 11 de agosto de 2008, quando o jovem de 13 anos foi atingido a tiro pelo militar durante uma perseguição policial a uma carrinha após um assalto a uma vacaria.

Além do menor, seguiam na carrinha dois homens, um deles Sandro Lourenço, o pai da criança, que estava evadido do Centro Prisional de Alcoentre.

Na sequência da decisão judicial, a APG decidiu criar um site e vários grupos nas redes sociais a solicitar apoio monetário para ajudar o militar da GNR a «recorrer ao Supremo Tribunal de Justiça».

«Perante tamanha injustiça, este grupo de amigos decidiu dar-lhe uma mão, pois será necessário uma quantia avultada para que consiga recorrer da sentença até dia 23 ao Supremo Tribunal, pois será a única forma de demonstrar o quanto injusta e errada foi esta decisão», explica um texto publicado no site de apoio a Hugo Ernano.

Em declarações à agência Lusa o coordenador da APG da região de Lisboa, Nuno Guedes, disse que a associação conseguiu cumprir o seu objetivo de angariar pelo menos nove mil euros.

«A onda de solidariedade tem sido enorme e de todos os lados têm surgido vozes de apoio. Esta verba vai ser muito importante para o Hugo conseguir dar entrada com o seu processo no Supremo Tribunal», referiu Nuno Guedes.

Na Internet circula também uma petição para pedir a absolvição do militar e que até ao final da tarde de hoje contava com mais de 85 mil signatários.