Última atualização à 01:00

 

A GNR está a concentrar todos os esforços para tentar detetar e capturar os suspeitos que terão matado um militar e ferido outro, em Aguiar da Beira, tendo também sido alertadas as autoridades espanholas.

Os moradores de Póvoa das Leiras e Candal, no concelho de S. Pedro do Sul, foram aconselhados a permanecer em casa, disse o presidente da Junta, José Carlos Almeida, enquanto decorrem as buscas.

Um militar da GNR de 29 anos foi morto e um outro de 41 anos ficou ferido com gravidade, numa altura em que realizavam uma patrulha em Aguiar da Beira.

Durante a manhã, enquanto eram efetuadas buscas aéreas, a GNR detetou mais "duas vítimas civis com ferimentos de bala: um senhor que já não apresentava sinais vitais e uma senhora que ainda apresentava sinais de vida e que se encontrava num estado com gravidade".

Informações contraditórias não permitem confirmar o estado de saúde desta segunda vítima, que se encontra internada no Hospital de Viseu.

 

Um militar da GNR foi hoje à tarde ferido em Candal, depois de um outro militar ter sido morto e o seu colega ferido, durante a manhã em Aguiar da Beira, disse à Lusa fonte da corporação.

A mesma fonte adiantou que o militar foi ferido por disparos de uma arma de fogo, estando as circunstâncias do incidente ainda por apurar.

Na sequência do tiroteio em Aguiar da Beira, a GNR montou uma operação policial na zona de São Pedro do Sul, distrito de Viseu, tendo já "recolhido indícios que permitiram isolar uma área", adiantou a fonte.

No local encontram-se várias valências da GNR, nomeadamente elementos da Companhia de Operações Especiais (COE) e elementos da Polícia Judiciária.