O militar da GNR detido na quarta-feira, em Lisboa, por suspeitas de tráfico de droga e exercício de segurança privada ilegal, ficou esta sexta-feira em prisão preventiva, depois de ter sido presente a interrogatório judicial.

O profissional da Guarda Nacional Repúblicana prestava até serviço na Direção de Investigação Criminal de Lisboa. Acabou por ser ele o investigado, sendo que é suspeito de desenvolver a alegada atividade criminosa juntamente com uma mulher, com a qual não teria relação de parentesco, na zona do Bairro Alto, em Lisboa, disse à agência Lusa fonte policial.

O juiz de instrução criminal determinou hoje a medida de coação de prisão preventiva ao militar e de apresentações periódicas à mulher.

A investigação ao militar, com o posto de cabo, «teve início em abril e foi desenvolvida pela própria GNR no sentido da recolha de prova» com vista à detenção dos suspeitos, explicou anteriormente uma outra fonte policial à Lusa.

Na sequência do cumprimento de mandados de detenção para os dois suspeitos, a GNR apreendeu 3,98 gramas de cocaína, 2,79 gramas de haxixe, 1,14 gramas de liamba e material relacionado com o tráfico de estupefacientes.

A investigação foi realizada por elementos do Grupo de Intervenção de Operações Especiais da GNR, uma subunidade operacional com competência em todo o território, e o militar detido vai ser sujeito, a nível interno, a procedimento disciplinar.