«Geração à rasca»: luta também em Barcelona

Foram 62 os emigrantes portugueses que se concentraram em frente ao Consulado Geral

Por: tvi24 / CLC    |   12 de Março de 2011 às 20:20
Foram 62 os emigrantes portugueses que se concentraram em frente ao Consulado Geral de Portugal em Barcelona. Com guarda-chuvas e cartazes, assinaram um abaixo-assinado com dezenas de propostas para serem entregues na Assembleia da República.

«Se não nos deixam sonhar, não os vamos deixar dormir», estava escrito no cartaz afixado na porta do Consulado Geral de Portugal em Barcelona, onde estavam dezenas de jovens que à chuva iniciaram o protesto «Geração à rasca» à mesma hora que o português.

Querem demonstrar que estão solidários e que se preocupam com Portugal e os portugueses.

«Embora estando fora de Portugal muitos de nós não sentimos os mesmos problemas como a falta de trabalho, mas temos que demonstrar que nos preocupamos e que sentimos da mesma forma, somos portugueses, e queremos um Portugal melhor», disse à Lusa Maria João Flôxo, administradora na rede social do protesto em Barcelona.

«Estou muito contente com a reacção, está mau tempo mas as pessoas vieram, estão activas e querem agir», acrescentou.

A convocatória deste protesto foi realizada no Facebook, foram sete as cidades que participaram: Londres, Berlim, Haia, Madrid, Lubliana, Luxemburgo, Bruxelas, Maputo, Nova Iorque, Copenhaga e Estugarda.

Em Barcelona, no fim do protesto foram entregues ao Cônsul de Portugal dois envelopes que continham todas as cartas com as sugestões dos jovens para uma «necessária mudança», que será enviado posteriormente para a Assembleia da República portuguesa.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Manif 12 de Março(Foto Cláudia Lima da Costa)
Manif 12 de Março(Foto Cláudia Lima da Costa)
COMENTÁRIOS

PUB
​BES: Banco Nacional de Angola tirou garantia ao BESA dois dias antes da resolução

A TVI apurou que a retirada da garantia estatal foi comunicada pelo BNA à filial angolana do BES. Banco de Portugal e Ricardo Salgado têm visões diferentes. A garantia em causa, que perdeu validade a 01 de agosto, tinha sido assinada pelo ministro das Finanças e seguia-se a uma ordem do Presidente José Eduardo dos Santos, que prestava ao BESA uma garantia soberana irrevogável no valor de 5,7 mil milhões de dólares.