A criminalidade violenta e grave diminui 2,2 por cento no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2013, tendo a GNR, PSP e PJ recebido menos 105 participações, anunciou, esta sexta-feira, o Gabinete Coordenador de Segurança (GCS).

O GCS adianta que a criminalidade geral também baixou 7,6 por cento nos primeiros três meses do ano face a período idêntico de 2013, com a GNR, PSP e Polícia Judiciária a receberam menos 6.788 participações.

A criminalidade participada à GNR, PSP e PJ no primeiro trimestre de 2014 foi hoje analisada numa reunião do Gabinete Coordenador de Segurança, que contou com a participação dos ministros da Administração Interna, Miguel Macedo, e da Justiça, Paula Teixeira da Cruz.

Segundo os dados do GCS, que são provisórios, os crimes que mais aumentaram foram os furtos de oportunidade de objetos não guardados (mais 467) e por carteiristas (mais 297), roubos na via pública (mais 50), em transportes públicos (mais 36) e nas escolas (mais oito).

Já os crimes que mais diminuíram no primeiro trimestre deste ano foram o furto de metais não preciosos (menos 1.489), condução com taxa de álcool igual ou superior a 1,2 gramas por litro (menos 1.401), condução sem habilitação legal (menos 912) e furtos em residência com arrombamento, escalamento ou chaves falsas (menos 792).

O furto em veículo motorizado (menos 475), roubos em residência (menos 56) e a ourivesarias (menos 14), homicídio voluntário consumado (menos 12), roubos por esticão (menos sete) e de viaturas (menos quatro) foram outros crimes que baixaram nos três primeiros meses do ano em relação ao mesmo período de 2013.