O diretor da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) afirmou esta segunda-feira à Lusa que "já não se encontra internado nenhum doente com sintomas gastrointestinais" proveniente do Festival de Paredes de Coura.

"Do ponto de vista médico-hospitalar, este caso está resolvido. Não há nenhum doente internado. As pessoas foram todas bem tratadas e na hora certa", disse Frankelin Ramos.

No sábado passado, aquele responsável disse à Lusa que 80 pessoas tinham dado entrada nos serviços de urgência médico-cirúrgica de Viana do Castelo e nas urgências básicas de Monção e Ponte de Lima com sintomas gastrointestinais".

O responsável pela ULSAM, que integra os hospitais de Santa Luzia, em Viana do Castelo, Conde de Bertiandos em Ponte de Lima, e 13 centros de saúde espalhados pelo Alto Minho, adiantou esta segunda-feira que "não se registaram complicações de saúde com os doentes que deram entrada nas urgências hospitalares".

Contactado pela agência Lusa, o diretor da Unidade Local de Saúde Pública, Luís Delgado referiu que "são ainda desconhecidas as causas que estão na origem deste caso que afetou 156 pessoas que assistiam aquele festival.

"O estudo epidemiológico ainda não está concluído", revelou, adiantando que "não se tratou de um caso de especial gravidade" apesar do número de pessoas afetadas".

"Estamos a falar de um festival de música que reúne muitas pessoas. Nesse sentido não se tratou de um caso de especial gravidade", sustentou.

No sábado, a organização do festival Vodafone Paredes de Coura anunciou em comunicado desconhecer as causas que levaram aquelas pessoas às urgências com "sintomas gastrointestinais".

"Até ao momento não foi possível estabelecer uma causa comum entre os casos, uma vez que não se verifica um padrão de idade, proveniência ou consumo de alimentos e bebidas, e os referidos sintomas são comuns a várias causas possíveis", lê-se no comunicado enviado à comunicação social.