A Fundação Amazonas Sustentável, uma organização ambiental que visa "reduzir o desmatamento, preservar a biodiversidade contribuindo para melhorar a qualidade de vida das populações tradicionais", foi premiada com o Prémio Calouste Gulbenkian 2016, que será será entregue pelo Presidente da República, na quarta-feira, em Lisboa. 

A Amazonas Sustentável é uma organização brasileira não governamental sem fins lucrativos que tem como missão a defesa e a valorização da floresta, através do envolvimento sustentável, da conservação ambiental e da melhoria da qualidade de vida das comunidades ribeirinhas do Estado do Amazonas, refere o comunicado.

O Prémio, no valor de 250 mil euros, será entregue no Anfiteatro ao Ar Livre da Fundação, em Lisboa, pelo Presidente da República, seguindo-se um concerto pela Orquestra Gulbenkian.

O júri, presidido por Jorge Sampaio, teve em consideração a importância das questões ambientais, enaltecendo que a distinção da Fundação Amazonas Sustentável representa "um sinal forte" em relação a um ano marcado por um acordo histórico sobre as alterações climáticas.

Este acordo foi negociado em dezembro passado, em Paris, e assinado a 22 de abril, na ONU, por um número recorde de países, incluindo os EUA e a China, os maiores poluidores do mundo, e visa diminuir o aquecimento do planeta.

A Fundação Amazonas Sustentável tem vindo a implementar um conjunto de programas que em 2015 envolveram 574 comunidades, beneficiando mais de 40 mil pessoas, adianta o comunicado.

A organização brasileira foi criada em 2007, pelo Banco Bradesco, em parceria com o Governo do Estado do Amazonas, e entre os seus programas destaca-se, segundo o comunicado, o Programa Bolsa Floresta, que promove o desenvolvimento sustentável do Amazonas, o Programa de Educação e Saúde, que desenvolve esforços para ampliar e qualificar a oferta de serviços públicos de saúde e de educação nas comunidades, e o Programa de Soluções Inovadoras, que encoraja projetos para melhorar a produção, a qualidade dos produtos e o rendimento das populações.

O Diretor-Geral da Fundação Amazonas Sustentável, Virgílio Viana, afirma que “os recursos [deste prémio] serão destinados a programas e projetos desenvolvidos junto das centenas de comunidades com as quais a FDA atua no interior do Estado”.

Também na quarta-feira terminam as celebrações dos 60 anos da Fundação Gulbenkian, que contaram com uma programação de concertos, sessões de cinema, 'workshops' e exposições que animaram o Jardim Gulbenkian e outros espaços da Fundação ao longo das últimas semanas, segundo a Lusa.