A exposição ao fumo passivo de um fumador pode envelhecer as artérias das crianças em mais de três anos e pode vir a causar problemas quando estas atingem a maioridade.

O estudo realizado na Finlândia e Austrália, e agora publicado no European Heart Journal, acompanhou mais de duas mil crianças, dos três aos 18 anos, e analisou os efeitos de crescer numa casa com pais fumadores.

Segundo a BBC, os ultrassons realizados nas crianças revelaram que aquelas que viviam com pais (ambos) fumadores desenvolveram mudanças nas paredes da artéria principal do corpo (que sobe do pescoço à cabeça).

As mudanças subtis durante a infância revelaram-se significativas e detetáveis cerca de 20 anos depois, quando os sujeitos chegaram a adultos.

«O nosso estudo mostra que a exposição ao fumo passivo causa efeitos diretos e irreversíveis na estrutura das artérias», diz o autor do estudo, Seana Gall, da Universidade da Tasmânia.

«Pais, ou aqueles que pensam em tornar-se pais, devem deixar de fumar. Não só irá restaurar a vossa saúde, mas também irá proteger a saúde dos vossos filhos no futuro».

No entanto, se apenas um dos pais fumar, os efeitos não foram visíveis. Talvez por não estarem sujeitos a uma carga de fumo tão significativa, ou porque, provavelmente, quando apenas um dos pais fuma tenta afastar-se da família para o fazer.

«Podemos especular que os hábitos tabágicos numa casa em que apenas um adulto fuma são diferentes. Por exemplo, o pai que fuma provavelmente fuma na rua, longe da família, limitando o fumo passivo. No entanto, não temos este tipo de dados, é apenas uma hipótese», terminou o autor do estudo.