Os bombeiros de Freixo de Espada à Cinta, em Bragança, perderam parte de uma herança que lhes foi deixada, porque esta foi penhorada para o pagamento de uma dívida a um empreiteiro.

O tribunal de Bragança agendou para esta quinta-feira a abertura de propostas da hasta pública, mas não apareceu nenhuma proposta. A moradia acabou por ser entregue ao empreiteiro, para pagar a dívida e os juros, no valor de 195 mil euros.

A moradia de Cascais, deixada por uma benemérita aos bombeiros, incluía imóveis e propriedades agrícolas.

“Estamos aliviados”, afirmou Edgar Gata, presidente da direção da Associação Humanitária dos Voluntários, à Lusa. Contudo, o presidente reconheceu que imóvel vale o dobro da dívida.

A penhora resultou de um processo de 2006 relacionado com as obras realizadas no quartel dos bombeiros. Os trabalhos realizados na cobertura e ampliação do quartel custaram cerca de 150 mil euros.

Segundo os bombeiros, a autarquia, proprietária do edifício do quartel cedido aos voluntários, terá dado garantia de que cobria o valor da obra, mas tal não se concretizou e o empreiteiro processou a associação humanitária e penhorou o imóvel.

A base de licitação da herança era 150 mil euros. Edgar Gata admitiu que estava com receio que surgisse uma proposta inferior aos 195 mil euros e que, para além de perderem o imóvel, ainda ficassem com a dívida.