O general Frederico Rovisco Duarte foi empossado esta sexta-feira no cargo de Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), no Palácio de Belém, perante o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, o chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Pina Monteiro, deputados da comissão parlamentar de Defesa e o antigo CEME Pinto Ramalho assistiram à posse do general Rovisco Duarte.

A cerimónia, em que foi lido o ato de posse, durou poucos minutos e, após os cumprimentos da "praxe", o novo CEME saiu do Palácio de Belém sem prestar declarações aos jornalistas.

O mandato dos chefes militares dos ramos tem a duração de três anos, prorrogável por dois anos.

Rovisco Duarte, que com a nomeação foi promovido a general, tem 56 anos e exercia as funções de Inspetor-Geral do Exército.

Foi chefe de gabinete do Chefe do Estado-Maior do Exército, entre fevereiro de 2010 e novembro de 2012, passando em seguida para as funções de diretor coordenador do Estado-Maior do Exército, até setembro de 2013.

Em outubro de 2013, assumiu as funções de Comandante do Comando de Instrução e Doutrina, até julho de 2015, desempenhando nessa qualidade um papel relevante na execução da reforma do ensino não superior militar promovida pelo anterior ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco.

Rovisco Duarte foi nomeado após a demissão do general Carlos Jerónimo, na sequência de uma polémica com o ministro da Defesa, devido a declarações do subdiretor do Colégio Militar sobre a forma como a instituição gere situações de exclusão entre alunos por razões de orientação sexual.