O Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto acusou dois homens pela clonagem de 830 cartões bancários, consumada em máquinas multibanco daquela cidade, anuncia a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) no seu sítio de Internet.

Os crimes ocorreram entre 22 e 26 de setembro do ano passado e o Ministério Público imputa-os a dois homens em prisão preventiva à ordem deste processo, precisa a página eletrónica da PGD.

Estão formalmente acusados da prática, em concurso real e em coautoria, dos crimes de contrafação de moeda e de falsidade informática.

Segundo a síntese da acusação, os arguidos «colocaram mecanismos de captura e cópia do conteúdo das bandas magnéticas de cartões bancários e de filmagem dos respetivos códigos secretos nas caixas multibanco exteriores» de três agências bancárias do Porto.

Deste modo, conseguiram os dados relativos a 830 cartões bancários, de débito e crédito, o que lhes permitiu o acesso às contas associadas «e a movimentação destas à revelia do titular, nomeadamente através de levantamentos».

As burlas foram concretizadas em caixas multibanco instaladas junto às dependências bancárias da Caixa Geral de Depósitos, na avenida Rodrigues de Freitas, do Deutsche Bank, na rua de Sá da Bandeira, e do Banco Espírito Santo, na rua de Camões.

Os homens agora acusados foram detidos numa operação da Polícia Judiciária que culminou na apreensão de vários dispositivos de leitura de cartões bancários, um computador, um cartão-régua e alguns cartões bancários.