O Banco Alimentar no Porto detetou que cerca de 1550 pessoas estavam a receber os cabazes de alimentos em duplicado, triplicado ou até quadruplicado. O número de pessoas corresponde a 500 famílias. A informação é avançada este sábado pelo «Jornal de Notícias».

Para tentar travar as fraudes e as irregularidades, a instituição do Porto criou sistema de registo das famílias, que começou a funcionar em março e que impede as mesmas de recber alimentos de diferentes entidades.

Rui Leite de Castro, presidente do Banco Alimentar do Porto, afirmou ao JN que «é uma questão de justiça, queremos ajudar por igual todos os que precisam».

A burla foi detetada o ano passado, quando o Banco Alimentar foi às instituições buscar os processos de todas as famílias apoiadas e cruzou os dados, um a um. Num Universo total de 42 mil pessoas, foram encontradas 1500 pessoas a receber comida de duas, três ou até quatro instituições diferentes.