Pelo menos um cidadão português ficou ferido na sequência do ataque registado na quinta-feira à noite, na cidade francesa de Nice, confirmou esta sexta-feira o Governo.

Mas o número poderá ser maior: os enviados especiais da TVI falaram com um português que tinha viajado para Nice para apoiar a família que tinha perdido dois filhos no ataque desta quinta-feira à noite. As crianças foram atropeladas e o corpo da filha do casal foi encontrada, mas o corpo do irmão, um rapaz de 14 anos, ainda não foi encontrado ou identificado.

Miguel Fernandes, enviado especial da TVI a Nice, apurou, já esta sexta-feira de manhã, que dois luso-descendentes estão entre os mortos.

Falei há pouco, aqui, com um português, que veio apoiar a família, porque duas pessoas dessa família morreram neste ataque. Não são na verdade portugueses, são descendentes de portugueses. Um rapaz de 14 anos, a família não conseguiu ainda encontrá-lo. Essa pessoa, que esteve ontem na marginal, viu os filhos serem atropelados. Conseguiu identificar o corpo da filha, mas o filho de 14 anos, mas ainda não conseguiu encontrar o corpo do filho para o encontrar", relata o jornalista da TVI

Por sua vez, o assessor de imprensa do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas adiantou à Lusa que foi identificado um português, entre os feridos.

Segundo a mesma fonte, trata-se de um homem, que está hospitalizado, na zona de Nice, e que vai ser operado a uma perna esta tarde.

O português, que está acompanhado pela mulher, “que escapou ilesa, está livre de perigo”, adiantou a mesma fonte, confirmando que “tem havido muitos contactos” de cidadãos portugueses, sobretudo junto dos consulados.

Pelo menos nove das 84 vítimas mortais de um camião que embateu contra a multidão, que, na quinta-feira à noite, festejava um feriado nacional na cidade francesa de Nice, são estrangeiras.

Para já, não foi identificado nenhum cidadão português entre as vítimas mortais. “A embaixada e os consulados portugueses em França, em coordenação com as autoridades francesas, estão a acompanhar a situação e a prestar os esclarecimentos e o apoio necessários aos cidadãos portugueses”, garantiu o Governo, em comunicado enviado às redações.

Já esta sexta-feira de manhã, a Secretaria de Estado das Comunidades admitia que poderia haver portugueses entre as vítimas, apesar de não ser conhecido, até então, qualquer caso. Contudo, o Governo alerta que pode haver luso-descendentes, com dupla nacionalidade, entre as vítimas, que podem estar a ser contabilizadas como franceses.