A Diretoria do Norte da Polícia Judiciária (PJ) deteve um homem de 30 anos suspeito da autoria de seis crimes de incêndio florestal no concelho de Baião, registados em junho e julho, informou hoje aquela força.

Em comunicado, a PJ refere que a detenção, fora de flagrante delito, ocorreu no âmbito de um inquérito em que se investigam cinco crimes de incêndio florestal, ocorridos a 20 de julho, numa zona florestal, agrícola e urbana situada no lugar do Casal, Ancede, concelho de Baião.

Os incêndios puseram em perigo floresta, mato, campos agrícolas e habitações.

“O detido é ainda suspeito de ser o autor de uma outra ignição ocorrida em junho, no mesmo lugar do Casal”, acrescenta o comunicado da PJ, que “releva” a colaboração da GNR de Baião.

O detido, desempregado, vai ser presente à competente autoridade judiciária para primeiro interrogatório e aplicação das respetivas medidas de coação.

A PJ anunciou ainda a detenção de um reformado de 72 anos “fortemente indiciado” pela prática de um crime de incêndio florestal em Vreia de Jales, concelho de Vila Pouca de Aguiar.

Em Vila Pouca de Aguiar, a detenção do idoso foi efetuada pela Unidade Local de Investigação Criminal de Vila Real.

O homem é suspeito de ter ateado um incêndio a 17 de julho, em Vreia de Jales, que colocou em “perigo uma vasta mancha florestal, que apenas não foi consumida devido à intervenção dos meios de combate, designadamente de uma equipa do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR, apoiada por um meio aéreo”.

O detido vai ser presente a interrogatório judicial para aplicação de eventuais medidas de coação.

A PJ informou que, este ano, já identificou e deteve mais de 50 pessoas pela autoria do crime de incêndio florestal.