Um novo máximo de incêndios foi registado neste sábado, com 268 ocorrências, que mobilizaram 6.553 operacionais, sendo atualmente os fogos nos concelhos de Ferreira do Zêzere e Tomar os mais preocupantes.

No primeiro ‘briefing’ do dia, realizado pelas 09:00, em Lisboa, a adjunta nacional de operações, Patrícia Gaspar, revelou que no sábado os 268 incêndios foram combatidos com o apoio de 1.762 viaturas, tendo sido realizadas 103 missões com meios aéreos.

Patrícia Gaspar afirmou que o final da tarde e início da noite de sábado foram especialmente “complicados e difíceis” para os bombeiros, nomeadamente na zona centro, tendo sido acionados um Plano Distrital de Emergência (Coimbra) e quatro Planos Municipais de Emergência.

Questionada sobre as razões de tão elevado número de ocorrências, a responsável referiu que “a culpa não é do tempo. A meteorologia não provoca incêndios florestais, "dificulta o seu combate”, destacou.

A este propósito, recordou que mais de 90% das ocorrências de incêndios florestais têm intervenção humana, seja intencionalmente ou por negligência, e que ambas são crimes.

Sobre a autoria destes crimes, Patricia Gaspar referiu que este é o momento de combater os incêndios e que o apuramento da sua autoria será mais tarde, estando já no terreno as autoridades responsáveis por este trabalho.

A propósito do Mecanismo Europeu de Proteção Civil, que foi acionado no sábado, Patrícia Gaspar revelou estar a contar com dois módulos da unidade militar de emergência de Espanha, país que vai enviar ainda mais dois meios aéreos.

Mantém-se o avião proveniente de Marrocos, sendo provável que outros meios aéreos venham juntar-se no âmbito de mecanismo europeu.

Segundo Patrícia Gaspar, continuam a ajudar no combate às chamas 500 meios miliares.

Em curso, dominadas ou em vigilância existem atualmente 510 ocorrências, as quais estão a mobilizar 3.079 operacionais.