Mais de 100 pessoas tiveram de ser deslocadas das suas casas devido ao incêndio de Mação, em Santarém, para o qual vão ser hoje mobilizados todos os meios aéreos disponíveis, anunciou a Proteção Civil.

De acordo com a adjunta de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, há 81 deslocados em Mação, 24 em Abrantes e 28 no Sardoal, os concelhos para onde o incêndio já se estendeu.

Patrícia Gaspar disse que este é o incêndio que “mais preocupa, que deu muito trabalho e que está a dar muito trabalho”.

Temos em mãos uma operação de proteção civil já com alguma complexidade. O incêndio neste momento apresenta várias frentes ativas. Tem tido um comportamento muito complexo. [Os operacionais enfrentam] uma situação toda ela difícil em termos de combate, a meteorologia não favoreceu o que foi a evolução do incêndio, pelo contrário, propiciou o desenvolvimento deste incêndio”, disse a responsável.

Relativamente aos meios aéreos Patrícia Gaspar disse que à exceção de dois aviões que permanecem no combate às chamas em Vila Real e de onde não podem ser deslocado para não desguarnecer a região no norte do país, todos ou restante meios aéreos vão ser mobilizados para o incêndio de Mação.

Questionada sobre as críticas do autarca de Mação, Vasco Estrela, que questionou o número de meios deslocados para o combate às chamas na região, Patrícia Gaspar disse que já na quarta-feira tinham sido alocados a este fogo todos os meios aéreos disponíveis.

Temos todos os meios aéreos mobilizados para este teatro de operações. Foi já o que aconteceu no dia de ontem [quarta-feira]. Ontem [quarta-feira] foram reforçados os meios terrestres neste incêndio. Temos 15 grupos de reforço portugueses, mais os três módulos de Espanha”, disse a adjunta de operações da Proteção Civil.

O último balanço contabiliza um total de 86 feridos, sete dos quais graves, mas que não correm risco de vida, estando numa situação estável, indicou Patrícia Gaspar.

O fogo de Mação mantém cortada a estrada nacional 244-3 entre Louriceira e Serra.

Para além deste incêndio, ao início da manhã a ocorrência que também preocupava as autoridades era o fogo de Vila de Rei, Castelo Branco, que lavra desde terça-feira e mantém mais de 300 operacionais no combate às chamas.

Lembrando que o cenário meteorológico para os próximos dias é favorável ao aumento do risco de incêndio, com a previsão de vento e aumento das temperaturas máximas já a partir de hoje, Patrícia Gaspar disse que se mantém a decisão tomada na quarta-feira de manter o estado de alerta especial de nível laranja até às 20:00 de sexta-feira.

Desde as 00:00 já se registaram 31 incêndios florestais. Na quarta-feira deflagraram 176 incêndios.

A Proteção Civil mantém hoje no terreno todos os meios que tem estado no combate ao longo dos últimos dias, incluído o apoio internacional vindo de Espanha e Marrocos.

Patrícia Gaspar disse ainda que estão ativos o plano distrital de emergência de proteção civil de Santarém e os planos municipais de Ferreira do Zêzere, Vila de Rei, Castelo Branco e Fundão.