O secretário de Estado da Administração Interna deixou este domingo um apelo à consciência dos cidadãos, avisando-os que "não podem ter comportamentos de facilitismo" perante os incêndios. Jorge Gomes fez notar, numa conferência de imprensa convocada a propósito de um fim de semana com muitos e graves fogos, que 33% destes fenómenos acontecem durante a noite e isso quer dizer alguma coisa.

"33% dos incêndios começam entre as oito da noite e as oito da manhã. Um terço dos incêndios em Portugal começar de noite é preocupante. Isto quer dizer alguma coisa"

É com o tempo quente que há mais propensão a fogos e não durante a noite, em que as temperaturas são mais amenas, o que quer dizer que pode haver, em muitos casos, fogo posto.

Já à Lusa, na sede da Autoridade Nacional de Proteção Civil, em Carnaxide, o governante disse que, "muitas vezes", os incêndios acontecem por "distração, negligência", mas que o facto de um terço começar, estatisticamente, de noite, é "um número muito expressivo", que dá que "pensar a todos enquanto cidadãos".

"Alguma coisa está errada", sentenciou, depois de e ter reunido com o comando operacional nacional da Proteção Civil, para efeitos de balanço do dia de operações de combate aos incêndios.

"Os meios são suficientes, mas têm um limite. Os cidadãos não podem ter comportamentos de facilitismo. Quem estiver a ter um comportamento errado, que tenha um comportamento correto, e então já não temos fogos"

Jorge Gomes destacou "a forma pronta e profissional como todo o dispositivo da Proteção Civil está a responder" aos incêndios, desde o comando nacional aos bombeiros, e louvou a sua "coragem e determinação".

Fim de semana sem mãos a medir

Este domingo, as chamas de um incêndio que começou em Salreu, Estarreja, chegaram à zona das autoestradas A1 e A29. Ambas estiveram cortadas, nos dois sentidos, durante várias horas e com filas de quilómetros, sobretudo na Autoestrada do Norte.

Cerca das 16:00 foi decidido encerrar ao trânsito os dois sentidos da A41, no quilómetro 34, junto de Gondomar, devido ao incêndio que lavra há vários dias na zona.

Um outro incêndio, numa zona de mato em Vale de Cambra, Aveiro, teve também três frentes ativas.

Em Provisende de Cima, freguesia de Rossas, concelho deArouca, distrito de Aveiro, registou-se outro fogo em mato com duas frentes ativas.

No distrito de Viana do Castelo, um incêndio na Peneda, freguesia da Gavieira, concelho de Arcos de Valdevez, que começou na quinta-feira, mobilizou mais de uma centena de operacionais.