Este foi o ano com menos incêndios da última década. O relatório provisório do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) indica que, entre 1 de janeiro e 15 de setembro, houve 6.958 ocorrências de fogo, depois do pico de 2007, ano em que se verificaram 9.852 incêndios.

Em comparação com o mesmo período de 2013, as ocorrências de fogo diminuíram este ano para mais de metade, adianta o mesmo relatório do ICNF, que é citado pela Lusa.

Contas feitas, 2014 foi o terceiro melhor ano desde 2004 em termos de área de área ardida, com 19.021 hectares de espaços florestais destruídos pelas chamas, cerca de sete vezes menos do que no mesmo período de 2013, quando ardeu 138.393 hectares.

Os únicos dois anos com menor área ardida do que 2014, durante a última década, são 2007 e 2008, com 18.755 e 12.659 hectares respetivamente.

«Comparando os valores do ano de 2014 com o histórico dos últimos 10 anos, destaca-se que se registaram menos 61 por cento de ocorrências relativamente à média verificada no decénio 2004-2013 e que ardeu menos 81 por cento do que o valor médio de área ardida nesse período», lê-se no documento.

O maior número de ocorrências de fogo foi registado no distrito do Porto (1.378), seguido dos de Lisboa (808) e Braga (576), sendo os incêndios maioritariamente fogachos, ou seja, ocorrências de pequena dimensão que não ultrapassam um hectare de área ardida. O relatório acrescenta que no distrito do Porto a percentagem de fogachos é de 94%.

Já os distritos com maior área ardida foram Guarda, Portalegre, Bragança, Porto e Coimbra, com 5.200, 2.487, 2.136, 1.371 e 1.159 hectares, respetivamente.

Da análise mensal dos incêndios, o ICNF sublinha que os valores até 15 de setembro do número de ocorrências e da área ardida foram, à exceção do mês de maio, «substancialmente inferiores às respetivas médias mensais dos últimos dez anos, com diferenças mais expressivas no meses de julho e agosto».

Segundo o relatório, agosto foi o mês com maior número de incêndios, com 1.924 fogos, seguido de julho, que registou 1.247.

Também a maior área ardida registou-se em agosto (6.983 hectares) e em setembro (4.388).

De acordo com o ICNF, este ano registaram-se 26 grandes incêndios, que queimaram 10.983 hectares de espaços florestais, cerca de 58 por cento do total da área ardida.

O maior incêndio verificou-se em Nisa, no distrito de Portalegre, a 25 de agosto, que consumiu uma área de espaços florestais de 2.268 hectares.