O incêndio que começou na tarde de sexta-feira na freguesia de Melres e Medas, concelho de Gondomar, distrito do Porto, ameaçou várias habitações da urbanização da Costeirinha, onde vivem cerca de 400 famílias, este sábado. Algumas habitações tiveram mesmo de ser evacuadas, por precaução. Dois bombeiros ficaram feridos.

Até meio da tarde, o incêndio ficou mais calmo, sem  haver casas em perigo, mas depois as chamas alastraram-se a outro local. 

Pelas 17:00, a missão dos bombeiros - mais de 100 operacionais, com auxílio de dois meios aéreos e 30 viaturas - não estava de forma alguma concluída. Pelas 18:00, havia ainda uma frente ativa e dois bombeiros tiveram de ser encaminhados para o hospital.

Fonte dos Bombeiros de Melres adiantou à Lusa que um elemento daquela corporação foi transportado para o Hospital de Santo António, no Porto, por “intoxicação” e um outro bombeiro de corporação de São Mamede de Infesta ficou ferido por “queda” e vai ser levado também para o hospital.

As chamas voltaram a estar perigosamente perto de algumas habitações. Os populares juntaram-se, ajudando com baldes de água e mangueiras. Viveram-se momentos de pânico. 

A TVI recolheu depoimentos de populares deram conta do ambiente de grande preocupação:

"Tem sido muito complicado desde ontem e desde que reacendeu"

 

"Estava a ficar aflito, com muito stress mesmo. Que isto desapareça daqui para fora". 

Manhã muito complicada

Durante a manhã, quando as chamas ameaçavam as habitações, o presidente da Câmara de Gondomar, Marco Martins, tinha dito á Lusa que a prioridade era "defender as habitações”.

O autarca, que tutela a Proteção Civil, disse que estava “à espera de um reforço de meios” para combater as chamas e acrescentou que “desde as 09:00 que foram pedidos meios aéreos”, sem sucesso.

Fonte dos Bombeiros Voluntários de Melres disse à Lusa, por volta das 09:30 de hoje, que o fogo que começou na tarde de sexta-feira na freguesia de Melres e Medas, estava “perto de casas” no lugar de Costeirinha.

As chamas em “povoamento misto” avançaram entretanto para “duas frentes ativas”, indicava, pelas 11:30, a página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

De acordo com aquela entidade, estão a combater o fogo 87 homens, 29 viaturas e um meio aéreo.

Os bombeiros Voluntários de Melres indicaram ainda que o agravamento do fogo aconteceu esta manhã, “com a mudança de ventos”.

Já em Arcos de Valdevez, um outro incêndio, que deflagrou na quinta-feira numa zona de mato em Peneda, continua ativo e está a ser combatido por 194 homens e seis meios aéreos, revelou a Proteção Civil

O incêndio em mato em Peneda, freguesia da Gavieira, tem “uma frente ativa” e envolve atualmente 62 meios terrestres