Um autocarro incendiou-se quando circulava na estrada da Beira em direção à Lousã, no concelho de Coimbra, não tendo resultado vítimas do acidente, disse à agência Lusa uma fonte da GNR.

O autocarro faz parte do sistema de transportes alternativos do ramal ferroviário da Lousã «e levava alguns passageiros», que se puseram a salvo logo que uma avaria o obrigou a parar, pouco antes das 10:00, em Sobral de Ceira, na estrada da Beira (EN-17), segundo uma fonte dos Bombeiros Sapadores de Coimbra (BSC).

«Não há vítimas», sublinhou à Lusa a fonte do Comando Territorial de Coimbra da GNR, ainda sem poder confirmar a identidade do autocarro, o qual, segundo os BSC, integra a frota que liga diariamente Coimbra a Serpins, passando por Ceira, Miranda do Corvo e Lousã, em alternativa ao Ramal da Lousã, devido à suspensão da circulação ferroviária, em 2009.

Nas obras (interrompidas há mais de dois anos) para instalar um sistema de metro ligeiro na ferrovia, já foram gastos cerca de 150 milhões de euros.

Iniciativa do último Governo de José Sócrates, os trabalhos começaram sem recurso a apoios comunitários, mas o executivo socialista ordenou poucos meses depois a sua suspensão, deixando as populações sem comboio, nem metro.

Nos últimos três anos, o atual Governo garantiu várias vezes que iria concluir o empreendimento, mas este não figura numa lista de obras públicas identificadas pelo executivo de Pedro Passos Coelho como prioritárias para o país, devendo ser candidatadas a fundos comunitários.