A Segurança Social vai apertar a fiscalização às baixas de longa duração, confirmou o ministro Vieira da Silva.

Os gastos nesta área têm crescido e o Governo quer cortar na despesa. As regras em vigor já obrigam a uma convocação automática aos utentes, com baixas de longa duração, para se apresentarem a juntas médicas, mas a lei não tem sido cumprida.

O atual Governo não pretende que os valores pagos a quem está de baixa sejam alterados, apesar de assumir que irá rever os critérios de atribuição do subsídio de doença. Com este reforço da fiscalização o Executivo pretende poupar cerca de 60 milhões de euros.

No final de um encontro com os jornalistas, na quarta-feira, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, afirmou que nos últimos anos se verificou uma “redução das convocatórias”.

Entre 2013 e 2015, os gastos com subsídios de doença terão aumentado, segundo o Jornal de Notícias, cerca de 65 milhões de euros.

Por isso mesmo, o ministro garantiu que o Governo vai levar a cabo uma “revisão de todos os critérios, a uma melhoria no modelo de controlo de certificação das incapacidades e ao reforço das convocatórias”.