A barra do porto da Figueira da Foz está aberta a toda a navegação desde 12:30 desta segunda-feira, embora a entrada de navios vá usar o mesmo canal que no domingo foi utilizado para a saída de embarcações, disse o comandante do Porto.

Em declarações à agência Lusa, Paulo Inácio explicou que a Autoridade Marítima colocou no rio uma nova boia e que a navegação se fará entre esta boia e o molhe norte, estando interdita entre aquela marca e o molhe sul, onde existem "perigos" como redes e outras artes de pesca, submersas na sequência do naufrágio, na terça-feira, do arrastão Olívia Ribau.

O arrastão também permanece submerso naquela zona, tendo sido criado um perímetro de segurança com 60 metros em redor da embarcação naufragada.

Ao início da madrugada de hoje, cerca de 20 embarcações de pesca deixaram o porto da Figueira da Foz e saíram para a faina em grupo, pelo mesmo canal de navegação sinalizado pela boia.

No regresso, as traineiras fundeadas na Figueira da Foz, rumaram hoje de manhã a Aveiro para ali descarregarem a sardinha "num espírito de colaboração com as autoridades", disse à Lusa António Lé, da cooperativa Centro Litoral, nomeadamente para facilitar as operações de entrada dos seis cargueiros que permanecem ao largo e que deverão entrar no porto entre as 13:00 e as 16:00 de hoje, na maré enchente.

Ainda de acordo com o comandante do Porto, a abertura da barra a toda a navegação foi possibilitada pelas condições climatéricas e o estado do mar que hoje se apresenta praticamente sem ondulação.