vídeo de agressõescom os agressores

"Fui contactado pela escola a dizer que o meu filho não estava bem porque nas redes sociais andavam a circular informações e até ameaças de que seria um dos envolvidos na situação. Fiquei surpreendido e preocupado, começaram a surgir ameaças de todo o lado, comprovei que não havia nada a envolver o meu filho e fui à polícia esclarecer a situação", afirmou.


















Também uma jovem de 19 anos, que tem o mesmo nome da principal agressora







PSP da Figueira da Foz reforçou a segurança