O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, disse esta terça-feira que a manutenção do arvoredo na freguesia de Santo António vai voltar a ser exercida pela autarquia lisboeta.

"Os lisboetas têm o direito de se sentir em segurança (...). O que vamos fazer é tornar claro que aquilo que é uma competência da Junta de Freguesia vai voltar a passar para a Câmara. Vamos tomar esta atitude visto que a Junta de Freguesia não quer exercer essa competência e até nega tê-la", disse Fernando Medina.

O autarca - que falava aos jornalistas em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, após a reunião preparatória para a Cimeira das Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa - respondia assim a perguntas sobre o acidente que esta manhã envolveu um autocarro que embateu numa árvore na Avenida da Liberdade, causando 13 feridos.

Fernando Medina quis "em primeiro lugar lamentar o acidente" e "informar que a Carris abriu um inquérito interno para apurar com rigor as causas" do mesmo.

Quando confrontado com perguntas sobre de quem é a responsabilidade pela manutenção das árvores, o autarca disse que "o quadro legal de Lisboa é muito claro", mas será mudado.

"A responsabilidade do abate e manutenção do arvoredo naquela zona da cidade é da Junta de Freguesia [de Santo António]. Uma das consequências da descentralização é que quem assume competências tem de as exercer. Se a Junta de Freguesia não quer assumir, a Câmara vai assumir de novo essas competências", disse o presidente da Câmara de Lisboa.

Um autocarro de turismo, que transportava 23 passageiros, embateu esta manhã numa árvore que acabou por ser cortada, tendo esta operação tido início pelas 11:25 e terminado cerca das 11:50, o que obrigou ao corte da circulação na Avenida da Liberdade.

Segundo disse à agência Lusa Tiago Lopes, segundo comandante do Regimento de Sapadores Bombeiros, a árvore foi abatida "por questões de segurança" e "por não apresentar a mesma estabilidade que teria antes do acidente".

De acordo com a mesma fonte, após o embate com a árvore, no sentido ascendente da avenida, dois passageiros (turistas belgas) ficaram encarcerados, mas foram retirados pouco depois e transportados para o hospital de São José.

No conjunto dos 23 passageiros do autocarro de turismo da Carristur havia cidadãos de nacionalidade norte-americana, belga, suíça e britânica.

No total, segundo Tiago Lopes, foram transportados para o hospital de São José oito feridos e cinco outros foram assistidos no local.

Segundo a Carris, do acidente resultaram 12 feridos, dos quais 11 com ferimentos ligeiros. O ferido grave será reavaliado no hospital de São José, "mas não aparenta cuidados maiores", destacou a empresa.

Uma fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) tinha indicado um total de 12 feridos, quatro dos quais assistidos no local.