“O SNS é a instituição mais sólida do tecido social”, disse Fernando Leal da Costa, lamentando que alguns indicadores não constem do relatório, tais como a diminuição de doenças, como a tuberculose, ou a taxa de operacionalidade das Viatura Médica de Emergência e Reanimação, que “é total”.


“A história analisará o nosso trabalho com a imparcialidade que alguns analistas ainda não conseguem ter”, disse.












“Todos os dias há doentes que não podem comprar os medicamentos que precisam para a sua doença”, afirmou.






“O médico é esmagado por ações que, muitas vezes, nada têm a ver com a sua função”, adiantou.