Dez militares do Curso de Comandos continuavam hoje internados no Hospital da Forças Armadas (HFA), em Lisboa, oito nas enfermarias e dois na Unidade de Cuidados Intensivos, disse à agência Lusa o diretor clínico desta unidade hospitalar.

Os dez militares do 125.º Curso de Comandos, com idades entre 18 e 33 anos, estão hospitalizados com lesões causadas por uma das provas físicas, realizadas a 29 de setembro, no Campo de Tiro de Alcochete, denominada de ‘marcor’, que combina marcha com corrida.

Oito dos formandos estão hospitalizados desde o dia 02 - um nono elemento teve alta hospitalar nesse mesmo dia –, tendo dois outros militares deste curso dado entrado nas urgências, na sexta-feira, e sido encaminhados depois para as enfermarias.

Segundo o diretor clínico do HFA, o estado de saúde dos oito formandos internados nas enfermarias “está a evoluir bem” e prevê-se que tenham alta hospitalar “em breve”.

Em relação aos dois formandos que permanecem nos cuidados intensivos, o coronel-médico Jácome de Castro disse que um dos militares "está a evoluir muito favoravelmente”, enquanto o outro formando encontra-se “estável e sob vigilância”.

Numa resposta escrita enviada hoje à Lusa, o porta-voz do Exército, tenente-coronel Gois Pires, explicou que os formandos hospitalizados nas enfermarias “recuperam de lesões inflamatórias da pele e tecidos subcutâneos”.

Um dos militares que permanece nos cuidados intensivos teve um diagnóstico de rabdomiólise (lesão muscular), que afetou as funções renais, enquanto ao outro formando foi-lhe diagnosticado um pneumotórax.

O porta-voz do Exército acrescentou que “o processo de averiguações, aberto pelo Exército, encontra-se a decorrer”, acrescentando “ser prematuro” avançar já com conclusões.

O Curso de Comandos, que dura 12 semanas, começou a 28 de setembro e conta com 70 formandos.