O Ministério Público (MP) acusou uma fisioterapeuta de crime de ofensa à integridade física grave, com violação das "leges artis" (regras da arte) no tratamento de uma doente, informou esta quinta-feira a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Segundo a PGDL, está indiciado que, em junho de 2012, em consequência de manobras realizadas pela arguida durante sessões de fisioterapia, com violação dos procedimentos adequados, a doente sofreu fratura do fémur direito causada pela agora acusada e dores intensas e fortes, tendo posteriormente de ser submetida a várias cirurgias com vista à sua recuperação.

Em resultado do sucedido, a doente ficou com um encurtamento de quatro centímetros daquele membro inferior, rigidez do joelho, dores permanentes, dependente de canadianas para se deslocar e de terceiros para realizar atos do dia-a-dia.

A fisioterapeuta encontra-se sujeita à medida de coação de Termo de Identificação e Residência (TIR).

A investigação foi dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.