A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) aceitou nesta sexta-feira dialogar sobre o concurso de atribuição de bolsas depois do protesto de mais de quatro dezenas de elementos afetos à Associação de Bolseiros de Investigação Científica (ABIC).

A FCT marcou para quarta-feira de manhã uma reunião com a ABIC, que convocou a concentração de hoje, junto às instalações daquela entidade do universo do Ministério da Educação, para exigir o diálogo com os bolseiros de investigação.

«Acho que a nossa ação foi marcante, porque forçámos a marcação, na agenda da FCT, de uma prioridade que poderá afetar mais de um milhar de bolseiros», disse à agência Lusa o presidente da ABIC, André Janeco, considerando que «é positiva a abertura ao diálogo».

Os mais de 40 bolseiros permaneceram junto do FCT durante mais de duas horas e meia exigindo «a disponibilidade do conselho diretivo para dialogar» sobre o concurso, «minado por uma redução de bolsas».

Também os critérios do concurso de atribuição de bolsas de doutoramento e pós-doutoramento são colocados em causa pela ABIC, uma vez que «afastam muitos potenciais candidatos».

«Se estes critérios fossem utilizados, os candidatos teriam de sobreviver sem rendimentos até meados do próximo ano», referiu André Janeco.

Apesar de estar marcado o início do diálogo com a FCT, a ABIC admite recorrer ao provedor da Justiça e também à provedoria do bolseiro para sensibilizar para «um concurso que muitos bolseiros contestam».

A ABIC continuará ainda a promover ações em Coimbra, Lisboa, Porto e Bragança, além de procurar reforçar o protesto junto de toda a comunidade de investigação científica.