O Tribunal de Ponta Delgada, nos Açores, condenou, esta sexta-feira, a quatro anos e cinco meses de prisão um homem que se fez passar por policia para tentar violar jovens, na Ribeira Grande, ilha de São Miguel.

O homem, de 44 anos, foi condenado a três anos e dez meses, por um crime de coação sexual agravada, e três crimes de usurpação de funções, sendo que a um destes foi aplicada a pena de oito meses e aos outros dois crimes de usurpação de funções cinco meses por cada um.

Na leitura do acórdão, o juiz disse que houve "a confissão praticamente integral” do arguido, que “agiu livre e consciente” e “sabia que poderia encontrar casais" num prédio em construção e "intimá-los" com o intuito de "ter relações sexuais com as mulheres que aí apanhasse", reporta a Lusa.

O homem usou um cartão do sindicato da PSP, que encontrou no lixo, e abordava casais que iam namorar para um prédio em construção na Ribeira Grande.

Ainda de acordo com o tribunal, além do cartão sindical, o homem tinha também um aparelho de comunicações, um bloco de notas e uma caneta.

Ao justificar a aplicação da pena de prisão efetiva, o juiz frisou que "uma pena de multa não resolve" e acrescentou que "as dificuldades económicas não justificam" aqueles crimes.

O julgamento deste homem, com antecedentes criminais, decorreu à porta fechada.