Os custos com a diabetes em Portugal aumentaram cerca de 50 milhões de euros em 2014, face ao ano anterior, e o custo médio dos medicamentos mais do que duplicou nos últimos dez anos, revela um relatório.

Segundo o relatório “Factos e Números da Diabetes do Observatório Nacional de 2014”, que é apresentado nesta terça-feira, a diabetes representou um custo direto estimado entre 1.300 e 1.550 milhões de euros, um acréscimo aproximado de 50 milhões, face a 2013.

Baseando-se em dados da Federação Internacional da Diabetes, o documento dá ainda conta de que a doença em Portugal representou em 2014 um custo de 1.540 milhões de euros por indivíduo, valores que representam 1% do Produto Interno Bruto (PIB) e 10% das despesas em saúde.

Quanto ao custo médio das embalagens de medicamentos da Diabetes, mais do que duplicou o seu valor nos últimos dez anos.

O crescimento do custo dos medicamentos da Diabetes (mais 260%) tem assumido uma especial relevância face ao crescimento efetivo do consumo, quantificado em número de embalagens vendidas (mais 67%).

Segundo o observatório, os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) têm encargos diretos de 20,6 milhões de euros com o consumo de antidiabéticos orais e de insulinas, o que representa 8,5% dos custos do mercado de ambulatório com estes medicamentos no último ano.

Neste sentido, apesar do acréscimo de despesa registado no último ano, o relatório realça o facto de os encargos totais dos utentes com estes medicamentos terem estabilizado nos últimos três anos.
 

Diabetes e internamentos voltaram a aumentar em 2014


A prevalência da diabetes em Portugal voltou a aumentar em 2014, atingindo mais de 13% da população, assim como aumentaram os internamentos destes doentes e os casos de diabetes gestacional, revela o relatório anual da diabetes.

De acordo com o relatório “Factos e Números da Diabetes do Observatório Nacional de 2014”, a prevalência estimada da doença na população portuguesa com idades compreendidas entre os 20 e os 79 anos (7,7 milhões de indivíduos) foi de 13,1%, isto é, mais de 1 milhão de portugueses, a que se juntam mais de 2 milhões de pessoas com pré-diabetes.

O relatório sublinha que em 2014 foram detetados cerca de 150 novos casos de diabetes por dia e que quase metade dos doentes com diabetes (40%) não sabe que tem a doença, permitindo a progressão silenciosa da doença e das suas complicações.

O impacto do envelhecimento da população refletiu-se num aumento de 1,4 pontos percentuais da taxa de prevalência entre 2009 e 2013, o que corresponde a um crescimento de 14%.

De facto, verifica-se um “forte aumento” da diabetes com a idade, já que uma em cada quatro pessoas entre os 60 e os 79 anos tem diabetes.

Além disso, os diabéticos perdem mais anos de vida: em 2013, apontava-se para uma perda de oito anos de vida por cada óbito abaixo dos 70 anos. Em 2014, o número de anos perdidos subiu para nove.

O relatório aponta ainda para uma relação entre o excesso de peso e a diabetes, sendo a prevalência da doença quatro vezes maior nos obesos.

“Cerca de 90% da população com diabetes apresentam excesso de peso (49,2%) ou obesidade (39,6%)”.

Também a diabetes gestacional verificou um “aumento significativo” - 6,7% dos partos no Serviço Nacional de Saúde (SNS) – sobretudo nas mulheres com mais de 40 anos, entre as quais a prevalência da diabetes foi de 16,5%.

No que respeita às crianças e jovens, a diabetes tipo 1 atingia, no ano passado, 3.365 pessoas até aos 19 anos, o que corresponde a 0,16% da população portuguesa nesta faixa etária, “número que se tem mantido estável”, sublinha o relatório.

Considerando apenas as crianças até aos 14 anos, o relatório indica que houve uma ligeira descida, tendo sido detetados 17,5 novos casos de diabetes tipo 1 por cada 100 mil jovens daquelas idades, o que consubstancia “valores inferiores aos registados nos últimos anos”.

Em termos de género, verifica-se uma maior prevalência de diabetes nos homens (15,8%) do que nas mulheres (10,8%).

Quanto aos internamentos, os de doentes com diabetes associada a outros diagnósticos aumentaram acentuadamente (89,3% entre 2005 e 2014), mas têm vindo a diminuir os casos de internamento em que a diabetes surge como diagnóstico principal (menos 23,4% entre 2009 e 2014).

No que respeita à letalidade intra-hospitalar, o relatório revela que em 2014, cerca de um quarto (24,8%) das pessoas que morreram nos hospitais tinham diabetes, correspondendo a 11.736 óbitos em números absolutos.

O relatório realça que houve uma diminuição de mortes nos internamentos em que a diabetes foi o diagnóstico principal (menos 46% na última década) e um aumento do número de óbitos nos internamentos em que a diabetes era diagnóstico associado (mais 44% nos últimos dez anos).

A duração média dos internamentos por diabetes foi superior em 3,5 dias ao valor médio de dias de internamento global no SNS.

Quanto às consultas de diabetes nos cuidados de saúde primários, houve um aumento de 0,5% no número de diabéticos registados, mas a representatividade destas consultas no total das consultas médicas passou de 6,1% e, 2011 para 8,3% em 2014.