A Força Aérea (FA) intercetou nesta quinta-feira duas aeronaves que não respeitaram os procedimentos exigidos para entrar no espaço aéreo nacional.

Em comunicado, a FA explica que estas aeronaves, provenientes de Espanha, entraram no espaço aéreo nacional, na zona de Mértola, pelas 10:45, e «não efetuaram os procedimentos de navegação, identificação e comunicação obrigatórios, desrespeitando as normas em vigor».

«De imediato, a Força Aérea empenhou uma parelha de caças F-16, de alerta, que intercetou os infratores», lê-se ainda no comunicado citado pela Lusa.

As aeronaves, escreve a FA, «acabaram por aterrar no aeródromo de Lagos pelas 12:05, onde eram aguardadas pelas forças de segurança, que a partir daí tomaram conta da situação».

A FA efetuou esta missão, a partir da base aérea n.º 5, de Monte Real, por solicitação da Autoridade Aeronáutica Nacional.

As duas aeronaves eram pilotadas por quatro tripulantes, mas não transportavam mercadorias ilegais, disse à Lusa fonte da GNR.

A GNR está agora a averiguar se a sua entrada em Portugal se deveu a negligência ou se a deslocação teria outro propósito, uma vez que a tripulação seguiu o mesmo plano de voo de outras cinco aeronaves, que faziam um raide aéreo autorizado.

De acordo com fonte do comando de Faro daquela força policial, os tripulantes foram intercetados pelos militares assim que aterraram no Algarve, mas não foi encontrado nas aeronaves material que pudesse indiciar o transporte de mercadorias ilícitas.

«A GNR fez a recolha de depoimentos e de dados para avaliar as motivações dos tripulantes», afirmou a mesma fonte adiantando que as autoridades querem saber se houve ou não um aproveitamento da viagem feita pelas outras cinco aeronaves.

8artigo atualizado às 20:07]