A PSP anunciou apreendeu 61 quilos de material explosivo durante uma ação de fiscalização realizada entre terça e quarta-feira a 88 empresas dos distritos do Porto, Braga, Vila Real, Viana do Castelo e Viseu.

Em comunicado, aquela força policial informa que foram apreendidos 17 quilos de pólvora e 44 de nitrato de amónio, composto químico com propriedades explosivas não tão elevadas.

Foram também apreendidos 292 metros de rastilho, 1.205 metros de cordão detonante, bem como 35 velas de explosivo e 121 detonadores.

A operação foi levada a cabo pelo Departamento de Armas e Explosivos da PSP, com o apoio da Unidade Especial de Polícia.

As fiscalizações visaram um total de 88 empresas, 51 das quais não reuniam condições "legais" para as suas atividades, segundo a Lusa.

Oito dos espaços armazenavam explosivos "fora das condições legais", e numa pedreira em Monção um homem acabou por ser constituído arguido por posse ilegal deste tipo de engenhos.

Os produtos e materiais apreendidos foram posteriormente destruídos com a colaboração das Equipas de Inativação de Engenhos Explosivos e Segurança e Subsolo da PSP, lê-se na nota informativa.

O decreto-lei n.º 265/9, em vigor desde 05 de abril de 2015, impõe a existência de um sistema de recolha de dados relacionados com explosivos, incluindo a respetiva identificação, que permita identificar a tipologia do material e o seu ano de fabrico, em toda a cadeia de abastecimento e ciclo de vida.

Este método assegura que as empresas dispõem de um registo de posse dos explosivos que possibilite a identificação do respetivo detentor.