Já foram identificadas todas as oito vítimas mortais das explosões numa fábrica de pirotecnia do concelho de Lamego, no início do mês.

Fonte do Ministério da Justiça disse à Lusa que os três últimos corpos foram "identificados através de análises genéticas".

A localidade de Avões vive momentos de dor à espera de poder sepultar os mortos.

As explosões ocorreram cerca das 17:50 do dia 04, na fábrica de pirotecnia Egas Sequeira, situada na freguesia da Penajóia, no concelho de Lamego, distrito de Viseu.

Seis corpos foram transportados no dia 5 para o Instituto de Medicina Legal do Porto, mas duas pessoas continuaram desaparecidas. Um deles estava a mais de 200 metros do local das explosões. 

Na noite do dia 6, as buscas pelos restos mortais foram encerradas, após terem sido encontrados mais vestígios biológicos que apontariam para a confirmação de oito mortos.

No dia 7, fonte do Ministério da Justiça informou que três das oito vítimas mortais das explosões tinham sido identificadas.

A 11 de abril, tinham sido identificadas mais duas pessoas, através das impressões digitais.