Arrancou, esta segunda-feira, o julgamento de três técnicos de gás, acusados de comportamentos negligentes, que terão estado na origem da explosão num prédio, em Setúbal, há mais de sete anos.
 
A explosão ocorreu a 22 de novembro de 2007. Os arguidos faziam uma verificação de uma conduta, para mudança de gás propano para gás natural. Mas só agora o caso chega a julgamento.
 
São três os técnicos, de três empresas de gás, que estão acusados do crime de explosão por comportamento negligente. Incorrem numa pena que pode chegar aos 5 anos de prisão.
 
Quem ficou sem casa, por causa do sucedido, durante quase ano e meio, congratula-se com o início do julgamento.
 
Para além dos morados, também alguns comerciantes da zona pedem indemnizações, porque sofreram danos nos respetivos estabelecimentos.
 
Só a reconstrução do prédio custou cerca de 1,3 milhões de euros. Foi paga pelas seguradoras dos condóminos que, tal como os moradores, pretendem agora ser ressarcidas dos prejuízos.

O Tribunal de Setúbal deu agora início ao julgamento, optando por fazê-lo no auditório Charlot, devido ao elevado número de pessoas envolvidas mas, também, em função das obras em curso no Palácio da Justiça.