Quase dois terços das escolas registaram este ano média negativa no exame de Português do ensino secundário, mas em seis estabelecimentos privados as notas médias da prova foram superiores à nota média de final de ano, geralmente mais elevada.

Raparigas com melhores resultados a 12 das 17 disciplinas

Das 605 escolas que realizaram exames nacionais a Português, apenas 233 registaram uma nota média positiva (igual ou superior a 10 valores), de acordo com a lista realizada pela Agência Lusa, com base nos dados divulgados pelo Ministério da Educação e Ciência.

A lista é liderada pela Academia de Música de Santa Cecília, uma escola privada em Lisboa que, com 16 exames realizados, registou uma nota média de 15,61 valores, mais de um valor acima da classificação interna final (CIF) de 14,38 valores, transformando o colégio em uma das seis instituições privadas que conseguiu superar nas notas dos exames a classificação que tem em conta todo o ano de trabalho, o que pode denotar um maior nível de exigência das escolas.

A lista das cinco escolas melhor classificadas nos exames de Português - todas privadas - inclui ainda o Colégio Internacional de Vilamoura, que com três exames realizados registou uma nota média de 14,03 valores; o Colégio São João de Brito, em Lisboa, que com 87 exames conseguiu uma média de 13,86 valores; o Colégio de Santa Doroteia, em Lisboa, com uma média de 13,42 valores em 73 exames realizados; e o Colégio Luso-Francês, no Porto, com uma média de 13,38 valores.

A escola pública melhor classificada a Português é a Escola Básica e Secundária Monte da Ola, em Viana do Castelo, que registou uma média de 13,22 valores em 18 exames.

A média dos 50.084 exames realizados em todo o país fixou-se nos 9,81 valores, mais de quatro valores abaixo da CIF média nas escolas (13,51 valores).

Longe da média nacional ficaram as cinco escolas pior classificadas, com o Colégio Cidade Roda, em Pombal, Leiria, a registar a nota média mais baixa: 2,45 valores em dois exames realizados naquele estabelecimento privado.

Numa separação entre escolas públicas e privadas, apenas 32,85% das quase 500 escolas públicas registou uma média de exames positiva, contra os 61,86% dos 118 estabelecimentos privados que integram a lista.

Tendo em conta apenas as escolas que realizaram mais de 100 exames, a melhor classificada volta a ser uma privada: o Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto, com uma média de 13,25 valores em 129 exames realizados.

Já a que registou a média de exames mais baixa - 7,08 valores - entre as escolas que realizaram mais de 100 exames foi a Escola Secundária Pública Hortênsia de Castro, em Évora, com 112 exames contabilizados.

Entre as escolas que apresentam um maior diferencial entre a nota média dos exames e a CIF, está o Colégio Cidade Roda, de Leiria, com a classificação final a superar em 8,55 valores a nota das provas.

Alunos de seis escolas melhores nos exames de Matemática que nas aulas

Numa lista de 603 escolas, existem seis estabelecimentos de ensino em todo o país onde os alunos do 12.º ano conseguiram melhores notas no exame nacional de Matemática do que na nota interna atribuída pelos seus professores.

A escola com a maior diferença entre a média da nota de exame e nota interna foi a Básica e Secundária Josefa de Óbidos. Os alunos desta escola pública de Lisboa tiveram nos exames 14,77 valores, enquanto a média das notas atribuídas pelos professores pelo trabalho realizado ao longo do ano foi de 13 valores.

A Josefa de Óbidos surge em 7.º lugar do ranking nacional das escolas com melhores médias a Matemática elaborado pela Lusa, com base nos dados disponibilizados pelo Ministério da Educação e Ciência.