As alunas do 4.º ano tiveram melhores notas a Português e os rapazes a Matemática, segundo um ranking da Lusa que coloca os estudantes de Coimbra como sendo os que obtiveram melhores resultados médios nas provas nacionais.

Ambos os sexos tiveram média negativa nas duas provas finais realizadas pela primeira vez, no passado ano letivo, por mais de cem mil alunos finalistas do 1.º ciclo.

As raparigas tiveram uma média de 2,79 valores (numa escala de zero a cinco) enquanto os rapazes tiveram 2,75, segundo as contas realizadas pela agência Lusa, tendo por base dados disponibilizados pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC).

Também nas notas atribuídas pelo trabalho realizado ao longo do ano na escola, os professores deram melhores notas às meninas: elas tiveram uma média de 3,74 valores e eles de 3,63 valores.

Separando as duas provas, os rapazes conseguiram melhores resultados médios a Matemática (2,96 valores), contra as raparigas que tiveram 2,89 valores.

Apesar de ambos terem obtido piores resultados médios a Português, as meninas conseguiram melhores notas do que os rapazes: 2,69 contra 2,54.

Pelo trabalho e conhecimentos demonstrados a Matemática ao longo do ano, a média das notas atribuídas pelos professores foi igual (3,6 valores). Já a Português notou-se uma maior disparidade: as raparigas tiveram uma média de 3,85 valores e os rapazes de 3,62 valores.

No total, foram realizados 220.374 exames nacionais, sendo que metade das provas foram feitas por alunos de Lisboa, Porto, Setúbal, Braga e Aveiro.

Fazendo uma avaliação dos resultados por distrito, os estudantes de Coimbra foram os que apresentaram melhores resultados médios (2,91 valores), seguindo-se os de Viseu e Viana do Castelo (ambos com 2,88).

A meio da tabela, em 9.º lugar, surgem os alunos do Porto, com uma média de 2,8 valores nas 39.623 provas. Logo a seguir está Lisboa, distrito onde se realizaram 48.951 provas com uma média de 2,77 valores.

Os alunos dos Açores são os que apresentam piores resultados médios nacionais (2,47 valores), seguindo-se os estudantes que frequentam estabelecimentos de ensino no estrangeiro (2,52) e os de Faro (2,62 valores).

Quanto às notas atribuídas pelos professores pelo trabalho realizado ao longo do ano, os estudantes de Coimbra (3,79 valores) voltam a ser os que conseguem a melhor média, seguindo-se os da Guarda (3,78) e de Santarém (3,76). Já no final deste ranking elaborado pela Lusa, surgem os alunos de Faro (3,53), Açores (3,54) e os que frequentam escolas no estrangeiro (3,57).

85% das escolas chumbaram a Português

Apenas 15% das escolas conseguiram ter média positiva na prova nacional de Português do 4.º ano, com os alunos do Externato Alfa Beta, em Oeiras.

Pela primeira vez no passado ano letivo, cerca de cem mil alunos do 4.º ano realizaram uma prova nacional de Português. No total, fizeram o exame os finalistas de 4.622 estabelecimentos, de acordo com os dados disponibilizados pelo Ministério da Educação e Ciência.

Apenas 717 estabelecimentos de ensino tiveram média positiva, tendo as restantes 3.905 escolas uma média negativa, segundo contas realizadas pela Lusa. Em termos percentuais, estes valores significam que 85% das escolas «chumbaram» a Português.

Para encontrar as escolas com melhores e piores médias nacionais, a Lusa teve em conta apenas os estabelecimentos com pelo menos dez exames realizados (foram excluídas 1.292 escolas).

Os 25 estudantes do Externato Alfa Beta destacaram-se ao conseguir a melhor média a Português: 3,88 valores, numa escala de zero a cinco.

Em segundo lugar ficou o Externato Cinderela, na Amadora, onde os 24 estudantes tiveram uma média de 3,83 valores, seguindo-se uma escola privada em Coimbra, o Colégio de São José com 3,81 valores.

Em quarto lugar surge o primeiro estabelecimento público de ensino: a Escola Básica da Ponte, em Vila das Aves, Santo Tirso, com uma média de 3,8 valores.