As associações de matemática consideram que o exame nacional da disciplina no 12º ano de escolaridade, realizado esta terça-feira, foi acessível, adequado às metas do programa e equilibrado.

"Faz justiça ao aluno que estudou", afirmou à Lusa Jaime Carvalho e Silva, membro da Associação de Professores de Matemática (APM), sustentando que "quem estudou vai tirar classificação positiva", pelo que, a seu ver, a média poderá aumentar este ano num valor, após cinco anos sucessivos de provas em que "as médias a matemática desciam".

O coordenador dos pareceres sobre os exames nacionais na APM entende, ainda, que a prova de Matemática A era acessível, apesar de não ser fácil, e não era extensa, sendo exequível no "tempo concedido", apesar de os estudantes terem usado o "tempo de tolerância" para a concluírem e não para conferirem eventuais erros.

A APM, que não apontou nada de negativo ao exame, enalteceu o facto de a prova conter "um problema de aplicações matemáticas".

Em comunicado enviado às redações, a Sociedade Portuguesa de Matemática entende que o exame "está em conformidade com o programa, não contém incorreções e tem uma extensão adequada", acrescentando que "está bem estruturado" e "tem um nível de dificuldade semelhante" à prova do ano passado.

Esta terça-feira realizaram-se igualmente os exames nacionais de Matemática dos 10º e 11º anos (Matemática B e Matemática Aplicada a Ciências Sociais), que a Associação de Professores de Matemática defende serem equilibrados, à semelhança de anos anteriores.

De acordo com dados do Júri Nacional de Exames, divulgados pelo Ministério da Educação e Ciência, 93,8% dos alunos compareceram à prova de Matemática A, 81,7% à de Matemática B e 92,0% à de Matemática Aplicada a Ciências Sociais, como apurou a Lusa.