A Associação de Professores de Matemática (APM) considerou mais clara e objetiva, do que no ano passado, a prova final da disciplina realizada, esta segunda-feira, pelos alunos do 9.º ano.

«Os itens estão formulados de uma forma mais clara e direta. No ano passado havia uma linguagem mais formal e este ano nada disso acontece. Tem perguntas muito diretas, muito claras», disse à agência Lusa a vice-presidente da associação, Ana Vieira Lopes.

De acordo com a professora, as questões são semelhantes ao ano anterior, mas o grau de dificuldade é «mais adequado» à forma como é dado o programa.

Sociedade Portuguesa da Matemática considerou exame «fácil»

Já a Sociedade Portuguesa de Matemática considerou que o exame de Matemática foi «substancialmente mais fácil», ficando aquém do grau de dificuldade adequado ao final do 3.º Ciclo, disse à agência Lusa o presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática.

«É expetável e até natural que a média nacional nesta prova suba, em relação aos anos anteriores, sem que isso signifique necessariamente uma melhoria do desempenho escolar dos nossos alunos», afirmou Miguel Abreu.

A SPM considera positivo que a prova do 9.º ano apresente, pela primeira vez, uma parte de resolução sem calculadora, mas entende que não contém itens que permitam selecionar um aluno de nível cinco.

«Achamos que qualquer aluno de nível 3 deveria ter um resultado acima dos 60% nesta prova, qualquer aluno de nível 4 deveria conseguir resolver a prova na sua totalidade corretamente e não há itens nesta prova que de facto distingam um aluno de nível 5», declarou.

Miguel Abreu considerou que o grau de exigência não é comparável com o ano passado.

Milhares de alunos regressaram esta manhã às escolas para mais de um dia de exames, marcado pela prova final de Matemática do 3.º Ciclo, que em 2013 registou uma média negativa de 44%.