A jovem que exibiu o polémico cartaz "por favor não matem os velhinhos" durante uma manifestação contra a Eutanásia em frente à Assembleia da República, que votava a despenalização, respondeu aos críticos com um post no Facebook.

Num longo texto tornado público nas últimas horas, Vera Guedes de Sousa, que diz ser estudante de Medicina, explica que o cartaz exibido no passado dia 29 de maio não era seu, mas que nem por isso deixa de defender o que, no seu entender, está subjacente àquelas palavras.

A fotografia do repórter do Expresso Nuno Botelho correu as redes sociais e foi alvo de dezenas de memes

Uma semana depois, Vera decidiu sair do anonimato.

Não sendo eu a autora do cartaz, sei que o mesmo pretendeu sensibilizar as pessoas para a vulnerabilidade dos idosos caso a eutanásia venha a ser legalizada e promovida pelo Estado. A sua condição mais frágil e débil, possíveis fracos recursos económicos e falta de acesso a cuidados paliativos torna-las-á mais suscetíveis para pedir a morte caso esta opção seja legitimada pela Sociedade e facultada pelos serviços do Estado. Este é o verdadeiro significado do cartaz", defendeu.

Na fotografia de capa desta notícia, assinada pela Agência Lusa, uma outra jovem segura o mesmo cartaz.

As palavras andaram de mão em mão, mas Vera fez questão de sublinhar que, ao contrário de "muita gente", está bem informada sobre o tema, acredita.

De facto existe muita gente que não está informada sobre o tema da eutanásia. No entanto, posso afirmar com convicção que não sou uma delas. Sou estudante de Medicina e escolhi este ramo porque soube desde cedo que queria dedicar a minha vida a cuidar dos outros e a lutar pelo valor que mais importa neste mundo: a Vida. Por isso é natural que me sinta triste ao deparar-me com a possibilidade de que a profissão que sonho vir a exercer possa ter no futuro uma função acrescida: o poder legal para matar."

Leia abaixo o texto de Vera Guedes de Sousa:

A publicação tem milhares de gostos e mais de mil comentários e partilhas.

Momentos antes das justificações de Vera, o autor da fotografia publicou o seguinte comentário na sua página.