Cerca de mil alunos e 100 professores de escolas portuguesas vão participar durante dois anos num novo projeto que vai permitir a cada estudante ter um tablet para usar em casa e na escola.

Alunos e professores terão as suas salas de aula transformadas em «verdadeiros laboratórios de educação com recurso às novas tecnologias: os EduLabs», anunciou esta segunda-feira o consórcio E-xample, que representa 26 empresas nacionais das áreas da aprendizagem e tecnologias de educação, após a assinatura de um protocolo com o Ministério da Educação e Ciência (MEC).

No próximo ano letivo, escolas em São João da Madeira, Aveiro, Coimbra, Lousã, Lisboa e Oeiras terão instalados os Edulabs, que vão permitir aos alunos trabalhar nas salas de aula com quadros interativos, tablets ou livros digitais.

O projeto tem uma duração inicial de dois anos e envolve dez agrupamentos - vinte escolas - que são frequentadas por cerca de mil alunos e cem professores.

«A Direção-Geral de Educação irá acompanhar e avaliar com o E-xample a evolução das tecnologias e os novos métodos pedagógicos, de modo a criar um modelo otimizado que possa ser alargado a outras escolas por todo o país», refere o gabinete de comunicação do E-xample.