Quase quatro em cada dez portugueses (38%) consumiram antibióticos no último ano, um valor ligeiramente acima da média europeia (35%), segundo um Eurobarómetro divulgado esta sexta-feira, no âmbito do Dia Europeu de Sensibilização para os Antibióticos 2013.

Na comparação com dados de 2009, o Eurobarómetro mostra que aumentou em cinco pontos a percentagem de portugueses que tomaram antibióticos, enquanto na média da União Europeia (UE) esta desceu em cinco pontos.

A esmagadora maioria dos inquiridos disse ter tomado antibióticos mediante prescrição médica - 88% em Portugal e 87% na UE - e questionados sobre a doença tratada, a maioria dos portugueses disse ter sido gripe (22%, contra 18% na UE), seguindo-se garganta inflamada (15%, contra 11% na UE).

No que respeita a informação sobre a eficácia dos antibióticos, o Eurobarómetro mostra apenas 19% dos portugueses classificaram como falsa a informação de que estes medicamentos matam vírus (UE 40%) e 27% sabem que não têm efeito na gripe ou constipações (UE 52%).

Já 79% dos inquiridos em Portugal classificaram como verdadeira a afirmação de que o abuso de antibióticos põe em causa a sua eficácia (UE 84%).

Paralelamente ao inquérito, Bruxelas divulgou dados do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças, que mostram um forte aumento, na Europa, de bactérias Gram-negativas multirresistentes que apresentam resistência aos carbapenemes ¿ antibióticos de última linha utilizados no tratamento de infeções associadas aos cuidados de saúde.

O comissário europeu para a Saúde, Tonio Borg, disse estar «muito preocupado com o facto de os antibióticos, que nos permitiram tratar infeções bacterianas anteriormente mortais e salvar muitas vidas, estarem agora a tornar-se cada vez menos eficazes».

O Eurobarómetro foi feito a 1.007 pessoas em Portugal, tendo o trabalho de campo - pelo método de entrevistas pessoais - sido feito entre 28 de maio de e 09 de junho, reporta a Lusa.