logotipo tvi24

Petição online em defesa do Es.Col.A

Documento já tem mais de 800 subscritores

Por: tvi24 / PP    |   2012-04-19 23:40

A petição online «o Es.Col.A não será nunca despejado, porque não se pode despejar uma ideia», em defesa da escola da Fontinha e destinada ao presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, já tem mais de 800 subscritores.

O coletivo Es.Col.A foi hoje despejado da antiga escola primária da Fontinha, ação que resultou em confrontos entre a polícia e os elementos do movimento, acabando três pessoas por ser detidas e acabando com julgamento marcado para 02 de maio, às 14:00, no Tribunal de Pequena Instância Criminal do Porto.

Sob o mote «Tod@s pela Fontinha», a petição online, destinada ao presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, acusa a autarquia de, «ao não ter cumprido com o acordado», estar «a tentar matar algo que reabilita a zona do centro do Porto e que tem o apoio da população».

«O Es.Col.A não será nunca despejado, porque não se pode despejar uma ideia», defende a petição, que conta já com mais de 800 subscritores.

Os elementos afetos ao Es.Col.A ¿ Espaço Coletivo Autogestionado do Alto da Fontinha, após o despejo, manifestaram-se na esquadra da Polícia de Segurança Pública do Heroísmo, depois na Câmara do Porto ¿ onde um manifestante se regou com um líquido que disse ser gasolina e ameaçou imolar-se ¿, tendo regressado posteriormente à Fontinha.

O cordão policial que cortou o acesso à rua onde se localiza a escola da Fontinha foi entretanto aberto, tendo sido permitido aos elementos do movimento ¿ já bem menos cerca das 22:00 - que se colocassem à frente do portão da escola, fechado a cadeado.

Alguns minutos após as 22:00, os manifestantes que restavam desmobilizaram, tendo ficado apenas no local o dispositivo policial.

A escola da Fontinha foi, após o despejo, limpa e entaipada pelos funcionários da Câmara do Porto, estando todos os acessos (janelas e portas) tapados com chapas de ferro.

A Câmara do Porto revelou hoje que estava disponível a permitir a ocupação do Es.Col.A até ao fim de junho, desde que fosse formalizado um contrato de cedência e o pagamento de uma renda simbólica de 30 euros.

Foi perante «a incompreensível recusa do grupo em aceitar estas condições mínimas exigidas por lei» e «aplicadas a qualquer cidadão ou instituição» que se procedeu ao despejo coercivo, explica a autarquia, em comunicado.

O Es.Col.A, movimento que se mantinha na escola desde abril de 2011, é um projeto sem fins lucrativos que oferece várias valências, como aulas de desenho, ioga ou guitarra e um clube de xadrez para todas as idades.

Para sexta-feira, às 18:00, o coletivo tem marcada uma assembleia-geral para debater a situação e as próximas ações a realizar.

Partilhar
FOTOGALERIA:
Desocupação da Escola da Fontinha

Desocupação da Escola da Fontinha - PEDRO GRANADEIRO/LUSA EM CIMA: Desocupação da Escola da Fontinha - PEDRO GRANADEIRO/LUSA

Ex-governante foi a operado a cancro que não tinha
Supremo condena médica por erro de diagnóstico
Incêndio em barraca de farturas provoca caos em feira
Incidente aconteceu na Feira de S. Mateus, em Viseu
Portugueses pedem para morrer na Suíça
Cada vez mais estrangeiros recorrem ao suicídio medicamente assistido
EM MANCHETE
Meco: famílias avançam com queixa contra procurador
Magistrado escreveu que o médico que atendeu João Gouveia fez um «mea culpa», mas a TVI não o viu nos documentos
Novos cortes podem entrar em vigor em setembro
Apollo compra Tranquilidade por 50 milhões de euros