Um minitornado que na madrugada desta segunda-feira se fez sentir no concelho da Póvoa de Varzim fez estragos em doze unidades hortícolas da região, causando prejuízos que ascendem a meio milhão de euros.

A intempérie abrangeu uma área de 10 mil metros, afetando, sobretudo, as freguesias de Aguçadoura e Estela, destruindo inúmeras estufas e arrasando culturas que seriam colhidas daqui a dois meses, com destino à exportação.

Muitas das explorações e das estufas que foram agora afetadas, já tinham sido arrasadas em janeiro de 2013 também pelo mau tempo e reconstruídas nos últimos meses, contando com apoios estatais, que há pouco tempo tinham sido recebidos pelos horticultores.

Carlos Alberto Lino, presidente da Horpozim - Associação dos Horticultores da Póvoa de Varzim -, pediu, por isso, a colaboração do Estado para reavaliar os apoios.

«Peço a colaboração dos responsáveis do setor para analisar esta situação, porque estes produtores receberam há pouco tempo os apoios para a reconstrução, e depois de arranjarem as estufas voltaram agora a ficar com tudo destruído», disse à Lusa o dirigente.

Numa primeira avaliação aos estragos, Carlos Alberto Lino contabilizou «200 mil euros só na destruição das estufas», ao que somou «mais de 300 mil euros com a perda total das culturas».

O também produtor desabafou: «como responsável da associação vejo-me embaraçado porque não sei o que vou dizer às pessoas. Não temos meios para prestar uma ajuda efetiva».

Carlos Alberto Lino diz que está em causa «a sobrevivência de empresas familiares» e que os produtores estão «muito desanimados por serem novamente afetados pelo mau tempo depois de tanto esforço para recuperar as explorações».